domingo, 6 de outubro de 2013

MÃOS E VIDA




MÃOS E VIDA

Mãos que guardam a essência,
que nunca cansam,
tateiam no escuro
pedem socorro, suplicam carinho.

Mãos suaves de toques sedutores,
mãos calejadas que acariciam,
mãos que seguram a enxada,
mãos que dedilham a viola.

Carinho nos cabelos
aceno na despedida
abraço na chegada
enlace na amizade
Mãos pequeninas
saindo do útero.

A porta que se abre e se fecha,
a água na face
escorrendo pelo corpo
e na palma entreaberta.

mãos que envelhecem
marcas, alinhavadas
mãos aprisionadas
brancas, negras.

O junco que se junta
formando a vida
as mãos que escrevem
expondo a alma
a poesia.


Texto: Pedro Paulo de Oliveira.
Reprodução permitida, desde que citada a autoria

Imagem: Google.
Postar um comentário