sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

MEMÓRIAS




Mas quando era noite,
ouvia as vozes
da minha memória...
do acalanto,
do seu cheiro
no travesseiro...

da sua mão
no meu cabelo
embalando
meu coração.

Mas quando era noite,
ouvia uma canção...
que canção era?
Era sua respiração.

Mas quando era noite,
vinha o frio,
o vento zumbia,
A chama ardia...

Mas quando era noite,
tinha o fogão...
o seu sopro,
o brilho do seu rosto,
as sombras na parede.

Mas quando era noite,
o medo ia embora
no aconchego do quarto,
no colchão de capim,
no travesseiro de paina,
na cama de mola,
sob a colcha de retalhos,
sob as telhas de barro
e o forro de taquara.

Mas quando era noite,
Tinha a lamparina,
o cheiro de querosene,
a fumaça preta
desenhando caminho...
O assobio do vento,
os passos lentos
vigiando meu sono
que chegava de mansinho
levando o medo
pra longe, muito longe
pra onde estou agora.

Texto de Pedro Paulo de Oliveira.

Imagem: guiadasemana
Postar um comentário