sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

CORPO EM DECOMPOSIÇÃO.





Agora, te moves lentamente,
não podes mais te acanalhar,
perseguir, humilhar, roubar...

A solidão te apavoras,
o silências te devoras
como uma serpente
lentamente.

Roubar era teu lema:
roubastes a alma alheia
em cada parte da tua vida,
em cada casa que dissestes tua,
em cada pedaço de terra que possuístes.

Cheiras mal, o fedor da amônia,
o odor maldito dos dejetos.
Não podes mais gritar,
nem correr.... Correr?
Sim. Os passos te faltam. O tempo os roubou.

O tempo é a ave de rapina
sobre o resto da tua carcaça
que se arrasta para o túmulo
onde ficarão teus ossos.

Te pareces com os vermes,
que causam asco,
arrastando-te no meio do lodo.

Tuas mãos tateiam os restos,
não alcançam, suplicam... Em vão.

Só te restas migalhas, solidão.

Texto de Pedro Paulo de Oliveira

Imagem: Noturno
Postar um comentário