sábado, 2 de novembro de 2013

NO FIM, O ÊXTASE




Parece que tudo já foi dito,
poucos sabem alguma coisa.
muitos têm algo a dizer
poucos dizem alguma coisa

Muitas imagens, muitos desejos
quase nenhuma verdade
Muita procura
Poucos encontros

Toques, retoques
no sibilar das vozes,
no extremo das volições,
nos achados e perdidos
de noites mal dormidas,
Achaques expressos
nos olhares esguios,
promessas esvaídas
nas almas caídas,
nas penumbras vividas.

No fim, enfim...
Nada a dizer.
O que restou? O clamor...

Sentidos abertos... instintos,
pernas abertas...Absinto.
Torpor... Mentira do amor.

Pedro Paulo de Oliveira.

www.escritoresnovos.blogspot.com.

Imagem: portodefatima
Postar um comentário