terça-feira, 26 de novembro de 2013

CORPOS, DELÍRIO, ÊXTASE




Por trás do teu ombro
vejo os montes trêmulos
por onde vicejam ramos
e escorre a água do mar...
Púlpito que se eleva
formando o caminho
por onde minha mãos
deslisam contritas
quase perdidas...

Sinto o abraço
o laço que me prende
o gemido sem dor
o púlpito se abrindo
meus olhos embaçados
meu grito mudo
instinto puro
entro, fecho os olhos
quero a escuridão
sem pensamentos
sem perdão.

Sinto o cheiro, o gosto do sal
o hálito envolvendo meu pescoço
dois bálsamo macios sobre meu peito...
É o instante, meu ser se esgarça
abro os olhos
vejo dois olhos
arregalados e uma boca sorrindo

Texto: Pedro Paulo de Oliveira.

Imagem: sites.google.com/site/jocelinjoseart/nu-artistico-casal
Postar um comentário