sábado, 1 de junho de 2013

MULHER, ENTRANHAS DA TERRA.


MULHER, ENTRANHAS DA TERRA.

No ócio da terra, apenas o lume
Na fenda aberta pela dor
Diante do olhar impune
Da ausência plena do amor

O olhar perdido e ausente
Da mãe órfã da piedade
Diante da tragédia presente
Fruto da humana maldade

Arrasta-se a fêmea esquecida
Em arauto tempestuoso
Suplicando pela morte perdida
No tempo calado, silencioso

Oh, mulher sem filho, dilacerada
Vai, segue seu destino de mãe e paixão
Abre teu corpo à terra arada
Dá de novo a vida presa no seu coração.

Pede, suplica e a vida está em suas mãos.

Pedro Paulo de Oliveira.
Direitos Autorais
Postar um comentário