terça-feira, 14 de maio de 2013

O DOCE E INFINITO ORVALHO


O orvalho, doce infinito de uma obra prima,
Gota de cristal escorrendo lentamente
Condensada na penumbra do ocaso
Diante da luz, para diluir-se, desvanecer-se como um sopro.

Flui e percorre o caminho que escolheu para si.
Mas, prefere a folha e a pétala para a fecundação,
Deseja, infinitamente, para sempre, a vida,
E rola, desliza como uma pérola solta por casualidade da concha escura.

Num instante, ainda presente, de vida ardente,
Rola o orvalho e cai sobre o solo como chuva fina.
Fecunda a terra, húmus que se espalha,
A menina que olha e sonha todos os sonhos de criança,
Sonhos eternos como o orvalho.

Pedro Paullo – Outubro de 2012

Postar um comentário