quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

POEMA DA ALMA

Minha alma tem a cor do amanhecer:
o som da vida despertando,
gotejando água cristalina da fonte,
a janela se abrindo, 
a criança sorrindo...

Minha alma tem a consistência das pedras:
guardiã de caminhadas e passos,
por onde escorre a chuva,
passa o pai e a mãe,
o filho e a filha,
quem muito já viveu,
quem ainda não nasceu
e quem já morreu.

Minha alma é feita de barro:
mãos moldando tijolos e telhas,
fazendo vilas e cidades,
paredes que escondem desejos,
momentos de carinho,
paixões loucas,
traições (medo)
dores (amores).

Minha alma tem a forma da água e do ar:
o mar sem tamanho, profundo
e o vento que tudo sopra, tudo leva.

Minha alma é parte de Deus:
é eterna,
quer ser nobre
no todo de Deus que é tudo.

Pois então...

Minha alma tem asas:
gosta de voar
voos rasantes e infinitos,
é feito passarinho
que conhece o mundo (o céu e a terra)
e, presa no corpo, como sofre! Tanto sofre...
- quer se desprender e, para sempre, voar.

Texto de Pedro Paulo de Oliveira.

Imagem: marlivre
Postar um comentário