sábado, 3 de agosto de 2013

O MUSGO



O musgo cresceu no tronco apodrecido
no quintal úmido e silencioso,
No pedaço de balanço esquecido
subiu rasteiro, silente, vigoroso.

O musgo cobriu os sonhos,
As risadas, os folguedos,
O vento batendo nos cabelos,
No vai e vem do brinquedo.

O musgo é verde, tem cheiro de mato,
Abraça a madeira, agasalha as lembranças
Dos beijos e dos abraços,
Das vidas e das esperanças...

Contínuo renascer rastejante
Da árvore formosa, orgulhosa
Húmus frio e pungente
Da terra, filha vaidosa.

Renasce o tronco que alimenta,
Guardião incólume das existências,
É o túmulo que ostenta
lúgubres e eternas vivências.

O tronco não morre, se transforma,
Musgo obstinado,
Faminto, enredado como a vida,
Fardel de ilusões
E efêmeras paixões.

Pedro Paulo de Oliveira.
Direitos autorais.

Foto: infoescola.com
Postar um comentário