terça-feira, 12 de agosto de 2014

O QUARTO - CICATRIZES DO PASSADO


Ouço meus passos
ecoando nos meus ouvidos...

Reencontro o quarto
preso no tempo
sobre pedras - pedras carregadas por ombros negros
(ombros negros brilhando no sol construindo casas e igrejas)

O umbral antecede as imagens
protegidas entre as paredes
atrás da porta envernizada.

Hesito - sempre hesito diante do passado.
Seguro o ferrolho frio,
empurro-o para o lado
e deparo-me com a janela

a vidraça mostra o mundo de fora
ligeiramente aberta
amparada por um pedaço de madeira
e a cortina afastada para o lado
feita de renda com desenhos de flores brancas.

Depois da janela,
o muro frio, úmido,
aveludado e verde
por onde as raízes se entrelaçam,
protege o quarto do outro mundo.

O assoalho áspero range
sob meus passos
adaptado aos meus pés
A cama no canto (o colchão de algodão mofado tem a marca do meu corpo).

O vento entra
passa pela vidraça
trás cheiro de húmus
e vozes de quintal (brincadeiras sob o sol e sonhos sob a lua).

O guarda-roupas de peroba
ainda brilha verniz
nas suas curvas feitas por mãos hábeis (quem será que o fez?)
abro-o e vejo a roupa de domingo no cabide
a toalha com meu nome
e o pijama costurado a mão pela vovó.

Abro a gaveta da pequena escrivaninha
encontro um caderno sem capa
com garranchos rabiscados
em momentos de grandeza.
 No meio das folhas,
traças mortas entre letras que teimam em viver...
Os garranchos criam cicatrizes
nas folhas amarelas
e que mesmo teimosas
vão se diluindo
amarelando
virando pó.

Fecho a porta do quarto
deito-me na cama
preso na eternidade
sempre do passado.


Texto de Pedro Paulo de Oliveira.


 

Postar um comentário