quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

UM SONHO DE AMOR

Eu queria que todos soubessem que a vida nada mais é que pensamentos esparsos, sonhos espalhados ao vento, metáforas do que parece realidade.
Eu queria que todas os seres humanos se sentissem responsáveis pelo destino do universo.
Eu queria que as pessoas acreditassem na vida como um presente único, onde as forças seguem para um só rumo.
Eu queria poder ver cada ser humano cumprindo a sua parte, respeitando os direitos dos seus semelhantes.
Eu queria ver as pessoas olhando para o mundo sabendo que a existência é efêmera e que a qualquer instante poderemos fazer parte de um mistério que apaga os nossos pensamentos.
Eu queria que a palavra AMOR habitasse todos os corações humanos.
O mundo poderia ser melhor se as almas fossem reais, a paixão não fosse proibida e todos pudessem viver segundo as leis do AMOR.
O mundo poderia ser melhor se as pessoas não roubassem, não se matassem, não precisassem explorar ou humilhar seus semelhantes.
Os seres humanos, como senhores do PLANETA TERRA seriam mais felizes se respeitassem todas as plantas - por mais minúsculas que elas sejam; se respeitassem as águas das fontes, dos córregos, dos rios, dos lagos e dos mares; e se entendessem que a terra e o céu também não são eternos.
Mas eu queria, ainda, que todos os seres humanos lutassem pela vida, vivendo pouco ou não, mas que fizessem dessa luta um ideal a ser cumprido todos os dias.
Enfim, eu queria que as pessoas não mais se unissem para construir grandes impérios para impor suas idéias e subjugar os mais fracos e desafortunados em razão da miséria e da fatalidade.

Eu queria...Acredito que muitos também o querem. Mas sinto, consternado, que todo esse querer é apenas um sonho de amor.

PENSAMENTOS ESPARSOS, Pedro Paullo - dezembro de 2.009
Postar um comentário