domingo, 30 de agosto de 2015

DO LIVRO O TURVO E O TEMPO



(...) "O Cachorro é o melhor amigo do homem até que conheça o poder do dinheiro" - Disse o Coronel olhando a matilha de viadeiros correndo atrás da caça que fugia apavorada, embrenhando-se nas capoeiras. (...)

 
***************************************                 

                   (...) O negrinho Teté saiu correndo, todo doido de alegria, pisou na bosta de vaca e se estatelou com a fuça na pinguela. Ficou por lá, dependurado e flácido lavando os pés no córrego. Uma brecha se abriu na sua testa e o sangue escorreu tingindo a água que desembocava na bica. Zenda olhou de esguelha e pensou: "destino bão só tem é coroné. Negro num vale pra nada neste mundo." Os outros negrinhos chegaram alvoraçados, gritando e rindo, e rodearam o amigo sem entender muito bem o que estava acontecendo. Zenda chegou mais para perto, esparramou a horda, catou o menino no colo e olhou na direção da casa por onde surgia o Visconde já arrumado para sair.  Os dois olhares se encontraram, se fixaram por um instante, até que Zenda se foi na direção oposta levando a massa mole de vida nos braços. (...)


Pedro Paulo de Oliveira.
Postar um comentário