quinta-feira, 17 de novembro de 2011

A SOCIEDADE DOS POETAS MORTOS

A sociedade dos poetas mortos – resumo do filme

O enredo do filme é delineado a partir do momento em que o professor de língua inglesa, John Keating, chega à Escola Welton. A escola Welton utilizava-se de tradicionais métodos de ensino, onde a literatura e as artes ficavam em um plano bem inferior. Com a chegada do novo professor à escola tudo começou a mudar já no primeiro dia de aula quando ele concitou os alunos a deixarem a sala, assobiando e pedindo que o chamassem de “capitão, meu capitão”. Com isso, Keating estava incentivando os alunos à ousadia, a uma mudança de postura quanto à vida e à forma de aprender.

Noutra sala Keating pediu ao aluno Neil para ler uma parte do seu livro de poesia. Logo depois, mandou os alunos rasgarem a introdução do livro. Os alunos vibraram com os métodos pouco convencionais do novo professor e, incentivados por ele, subiram nas mesas como forma de expressar suas emoções livremente.

As emoções dos alunos floresceram de forma espontânea e eles reviveram um clube de literatura ao qual havia pertencido o professor Keating e reuniram-se numa caverna próxima da escola. Posteriormente, os alunos Todd e Charlie se destacaram, sendo que o primeiro, num trabalho proposto por Keating, se deu mal devido a problemas de consciência. Keating o levou, então, a fazer exercícios de auto expressão para evoluir seus talentos artísticos. Charlie publicou uma matéria no jornal da escola favorável à entrada de meninas na Welton. Diante do diretor, chamado a dar explicações sobre a matéria, ele ofereceu Deus ao telefone para defendê-lo. O diretor ficou possesso.

Keating foi repreendido pela diretoria por conta de seus métodos de ensino e, na sala de aula, disse aos meninos para não serem estúpidos em lutar contra o sistema, transmitindo-lhes, implicitamente, que eles deveriam ser sutis e inteligentes.

Enquanto isso, outro aluno, knox, se apaixonou por uma garota de outra escola e dedicou-lhe um poema. Foi elogiado por Keating em sala de aula por escrever sobre o amor verdadeiro. Neil, outro aluno, sentiu sua vocação artística aflorar e afrontou seus pais que queriam que ele cursasse medicina. Pressionado pelo pai que lhe disse que iria alistá-lo numa academia militar, Neil cometeu suicídio.

Keating foi feito bode expiatório da morte de Neil e diante de uma investigação do conselho de Regentes de Welton foi acusado formalmente. Mas Charlie o defendeu e esmurrou Richard, seu principal acusador. Charlie, por conta dessa atitude, foi expulso da escola. Todd foi chamado diante da direção e, pressionado por seus pais, foi forçado a assinar um documento em que afirmava ser membro da Sociedade dos Poetas Mortos, que Keating abusou das suas prerrogativas e incentivou Neil a discordar dos pais. Keating foi demitido da escola.

Nolan, um dos diretores da escola e responsável pela demissão de Keating, substituiu-o na sala de aula como professor de inglês. Keating entra na sala para apanhar alguns pertences que havia deixado lá. Foi, então, que Todd revelou que ele e os meninos foram intimidados e obrigados a assinar o documento contra o professor Keating. Nolan exigiu que os alunos se calassem e que Keating se retirasse. Keating se virou para deixar a sala e Todd, pela primeira vez, sendo um aluno fechado, se abriu e gritou: “Capitão, meu capitão!” em seguida, Todd subiu na mesa e foi ordenado por Nolan a descer ou enfrentar uma expulsão. Contudo, ele não desceu e foi seguido pelos demais colegas. Nolan, vencido, tombou sobre a mesa e Keating, sorrindo, deixou a sala de aula para sempre.
Postar um comentário